• O sindicato


  • Associados


  • Contribuições


  • Mídias


  • Área do associado


  • Associe-se


Exportações de rochas crescem quase 11% no 1º semestre do ano e promovem superávit na balança comercial do setor

Publicado em 25/07/2022

Depois de bater recorde histórico nas exportações em 2021, o setor de rochas ornamentais nacional registrou, no primeiro semestre deste ano, faturamento total de 634 milhões de dólares, evolução de 10,92% com os embarques internacionais, em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados foram divulgados esta semana pelo Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas) que prevê fechamento do ano com faturamento superior a 1,4 bilhão de dólares.


No ano passado, no primeiro ano da parceria firmada entre o Centrorochas e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) para execução do It's Natural - Brazilian Natural Stone, o setor fechou o ano com 1,34 bilhão de dólares em faturamento. O It's Natural é um projeto de incentivo às exportações do segmento que atualmente apoia cerca de 148 empresas.


De janeiro a junho deste ano, o arranjo produtivo de rochas importou 12,68 milhões de dólares promovendo um superavit de 622 milhões de dólares na balança comercial do segmento.


"O aquecimento da construção civil mundial, o desenvolvimento de ações inéditas para o setor de rochas por meio do convênio setorial e ainda o investimento que as empresas do segmento têm feito em seu parque fabril podem ter contribuído para esta evolução. Mas é importante lembrar que este número poderia ter sido maior, não fosse a guerra entre Rússia e Ucrânia", explicou o presidente do Centrorochas, Tales Machado, lembrando que a Rússia era um dos países-alvos a serem trabalhados pelo projeto setorial. "Como vários setores da economia mundial, tivemos que nos adequar", completou.


Outro ponto importante apresentado no primeiro semestre deste ano foi a evolução do preço médio dos materiais brasileiros, que registraram aumento de 15,04% em relação ao mesmo período em 2021. O arranjo produtivo de rochas, como vários outros setores, vem sofrendo com reajustes constantes nos fretes marítimos devido aos problemas logísticos em decorrência da pandemia, e a desvalorização do dólar; apesar disso, o setor tem conseguido se adaptar de forma rápida a esses cenários.


Mercado consumidor

Os Estados Unidos permanecem como principal destino para os produtos brasileiros representando aproximadamente 57% de toda exportação nacional. Em uma análise mais minuciosa, excluindo os materiais brutos, os americanos se tornam ainda mais importantes representando quase 74% do total de materiais acabados exportados. Seguindo mesmo raciocínio, o mercado mexicano vem na sequência, com 5% de participação, e o Reino Unido em seguida, com cerca de 3%.


Observando o comportamento dos materiais brutos exportados, a China segue sólida como o maior importador, consumindo aproximadamente 60% dos blocos de rochas comercializados pelo Brasil. Em seguida vem a Itália, com 29%.


Estados exportadores

Espírito Santo (80,54%), Minas Gerais (11,45%) e Ceará (3,42%) foram os estados que puxaram as exportações nacionais no primeiro semestre deste ano.

Exportações de rochas crescem quase 11% no 1º semestre do ano e promovem superávit na balança comercial do setor

Compartilhe:

 

 

Visitas: 58

Fonte: Apex Brasil

Contato

http://www.sindiex.org.br/ http://www.sindiex.org.br/

Este site utiliza cookies e outras tecnologias para melhorar a sua experiência. Leia nossa Política de privacidade.